Deputado cobra SESAU após denúncia de salário de R$ 70 mil pago a servidor
18/08/2021 10:23 em POLÍTICA

Após sete tentativas de apurar informações sobre a folha de pagamento e plantões dos profissionais da Covid-19, o deputado Davi Maia (DEM) descobriu que há, na Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), um médico ganhando R$ 70 mil por mês. Para justificar o super salário, o profissional aparece em plantões no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e em um hospital do governo de Alagoas.

 
 

A investigação do parlamentar aponta que essa foi a estratégia de plantões foi feita para encobrir os desvios do dinheiro do Governo Federal, encaminhado para Alagoas, da Controladoria Geral da União (CGU). Por isso, a ação pode figurar como peça chave para subsidiar a CPI da Covid-19, no Senado Federal.

"Já temos o nome desse profissional que recebe esse super salário, tirando plantões nos três horários e em locais diferentes. A denúncia com todos os detalhes ocorrerá na sessão desta quarta-feira da Assembleia Legislativa. Tentamos pelos meios legais, protocolando pedidos que chegaram a sete e até agora nada. Então, fomos na secretaria e buscamos mais uma vez os detalhes, agora, com o Diretoria de Recursos Humanos", disse Davi.

Tudo indica que, em pouco mais de um ano, o médico e sua habilidade de ser onipresente tenham embolsado pouco mais de R$ 800 mil. Para o parlamentar, um volume assim não ocorreria se não fosse uma pessoa com grande influência na Sesau e a conivência de sua direção.

Os detalhes da investigação do parlamentar, que agiu durante todo o tempo conforme sua atribuição, será repassado para o senador Eduardo Girão (Podemos/CE), afim de que possa subsidiar um pedido de convocação dos responsáveis.

Na denúncia, que já consta na em sua rede social, Davi Maia aparece dentro da Sesau, desmentindo a informação de que todos os dados sobre plantões, salários e benefícios estão expostos. De posse do celular e de páginas impressas do site, ele provou que muitos dados são omitidos.

A principal suspeita é que o pagamento de plantões e gastos com pessoal dificultou a apuração da CGU sobre os repasses feitos para combate à Covid-19, além de que o dinheiro era usado para a contratação de pessoal. As contratações ocorreram de forma precária para atender a emergência sanitária.

O parlamentar explicou ainda que essa denúncia é resultado de um levantamento que tem apontado várias irregularidades na pasta, desde que o secretário Alexandre Ayres optou por transformar o órgão em base para sua campanha eleitoral.

Na semana passada,o próprio Davi descobriu que dezenas de pessoas com experiência e qualificadas para as funções técnicas têm sido dispensadas para que parentes de aliados e futuros cabos eleitorais sejam empregados.

Somente o avanço das investigações e, possivelmente, o envolvimento dos órgãos de fiscalização e controle vão confirmar para onde o dinheiro está indo. Não está descartado, por exemplo, que pudesse até financiar uma ou mais campanhas eleitorais.

"Vamos reunir tudo o que pudermos para repassarmos em detalhes para os órgãos de fiscalização e controle, bem como a própria Polícia Federal e, principalmente, a CPI do Senado Federal", concluiu Davi.

Conforme o deputado, muitos fatos precisam ser apurados, desde os R$ 5 milhões dos respiradores que nunca chegaram e os recursos nunca foram devolvidos, passando pelo uso político da secretaria, com a contratação precarizada de pessoal e a sonegação diária de informações.

O outro lado

Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) informou que aguarda a denúncia oficial do deputado Davi Maia, já que, no momento, "ele faz ilações sem citar o nome de qualquer servidor da pasta."

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE