https://public-rf-upload.minhawebradio.net/2073/slider/e37dcaa553e067162afd3fe9fc4835aa.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/2073/slider/098ca6fa5e2213bdae26193a94c2ec92.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/2073/slider/d7f9f73440da853bcf838335f705c5a9.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/2073/slider/98a241b9a2130fcfcc8ff6ed722fadde.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/2073/slider/029e2cd5d9b1a72d9cad2b0d2f7b2b43.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/2073/slider/c7b3bae78ab2ed31ae6c32c56e888656.png
HGE atendeu mais de 700 mulheres vítimas de violência em 2015
06/03/2016 12:07 em BRASIL

Foto: Ilustração

No Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), uma mulher de 28 anos esteve em recuperação após seu namorado jogar álcool e atear fogo

No Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), uma mulher de 28 anos esteve em recuperação após seu namorado jogar álcool e atear fogo

Em 2015, o Hospital Geral do Estado (HGE) atendeu 775 mulheres vítimas de violência doméstica e sexual, segundo dados do Núcleo de Epidemiologia da unidade. O ciúme continua sendo uma das principais motivações das agressões.

Janeiro do ano passado foi o mês com maior quantidade de casos registrados, 101. Seguido de março, com 96 mulheres agredidas e abril, com 90. Conforme a psicóloga Rejane Lima, muitas das agredidas chegam tão assustadas que não conseguem falar sobre o problema e temem denunciar o agressor.

“Às vezes elas têm tanto medo de relatar que dizem uma história mal contada. Então nós buscamos criar vínculo, mostrar que elas podem confiar em nós. Então acabam falando que foi o marido ou namorado, na maioria dos casos. São problemas muito complexos, envolvem carências e diversos sentimentos. Eu já cheguei a presenciar a agredida tendo alta médica e saindo do hospital com o agressor”, disse a psicóloga.

No Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), uma mulher de 28 anos esteve em recuperação após seu namorado jogar álcool e atear fogo. E na ala vascular, outra vítima, de 35 anos, precisou passar por cirurgias após ser esfaqueada nas pernas e quase perder uma das orelhas. Ambas as vítimas preferiram não se identificar.

O que eles têm em comum? O ciúme. A primeira namorava o agressor, de identidade não revelada, há cinco anos e antes já havia sido agredida. A segunda foi esfaqueada após iniciar um novo relacionamento, o que causou ira no ex-namorado. “Em todos os casos, além da assistência física e psicológica, nós acionamos o Serviço Social para orientar a paciente sobre os seus direitos, mas cabe a paciente, ou a família, denunciar”, pontuou a psicóloga.

Por outro lado, uma equipe multiprofissional do HGE, formada por médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais, avaliam cada paciente para descobrir se existem indícios de transtornos psicológicos, antes ou após a violência sofrida, que também podem ser causada por traição, ingestão de bebidas alcoólicas e consumo de entorpecentes.

“É uma assistência longa e extrapola o tempo de internamento no hospital. Muitas delas têm alta com um encaminhamento para iniciarem uma terapia, mas compreendemos que o apoio da família é primordial para que todos os traumas sejam superados e a violentada retome a sua rotina de vida”, concluiu Rejane Lima.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!

PUBLICIDADE