Em ato no Planalto, Dilma receberá apoio de juristas
22/03/2016 10:56 em POLÍTICA

Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência da República

Palácio do Planalto

Palácio do Planalto

A presidente Dilma Rousseff receberá nesta terça-feira (22), em um evento aberto no Palácio do Planalto, juristas, advogados, promotores e defensores públicos contrários ao processo de impeachment que ela enfrenta na Câmara dos Deputados.

A expectativa é que no encontro, intitulado “Em defesa da legalidade e da democracia” predominem críticas ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância. Na semana passada, Moro autorizou a divulgação de áudio de conversas telefônicas entre Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva interceptadas pela Polícia Federal.

Em dezembro, cerca de 30 juristas contrários ao impeachment foram ao Planalto prestar solidariedade à presidente por conta do processo de afastamento autorizado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Na ocasião, o grupo chamado Juristas em Defesa da Democracia afirmou que não há "requisitos constitucionais e legais necessários para configurar um eventual crime de responsabilidade cometido por Dilma”.

À época, nos dias seguintes à abertura do processo, Dilma se reuniu com juristas, governadores, prefeitos, movimentos sociais e artistas contrários ao seu afastamento.

Nesta segunda (21), Dilma se reuniu, pela manhã, com a coordenação política do governo para avaliar o andamento do processo de impeachment na Câmara e, à noite, jantou com Lula no Palácio da Alvorada.

Na sede do Executivo, ministros e quatro líderes governistas mapeiam a tendência de voto dos deputados.

Na semana passada, a Câmara instalou a comissão especial que vai analisar o afastamento da presidente, composta por deputados indicados pelos líderes partidários.

Desde a sessão da Câmara da última sexta (18), começou a contagem de prazo de dez sessões para que Dilma apresenta sua defesa à comissão do impeachment. No momento, restam oito sessões para a presidente formalizar seus argumentos contra o impeachment.

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE