Votação de projetos sobre bebida alcoólica e mudança de nome de estádio é adiada
14/05/2019 20:51 em POLÍTICA

votação do projeto que permite a venda e consumo de bebida alcoólica nos estádios de futebol alagoanos foi adiada nesta terça-feira (14), durante sessão na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). Apreciado em segunda votação, o projeto de autoria do deputado estadual Bruno Toledo (Pros) voltou a ser motivo de polêmica no plenário da casa.

Antes de ser colocado em pauta, o relator do projeto, deputado Davi Maia (DEM), saiu em defesa da proposta. Para justificar sua opinião, o parlamentar apresentou dados oriundos de uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). 

 

Autor do projeto, Bruno Toledo se disse surpreso com a repercussão do tema, inclusive no meio religioso. Em seu pronunciamento, ele disse que chegou a se sentir "como um herege" por defender o consumo de álcool.

 "Não podemos achar que quem bebe é um criminoso. Me surpreendi com o fato desse tema ter se tornado algo religioso", ressaltou Bruno, numa alusão a uma nota divulgada pelo arcebispo Dom Muniz se posicionando contrário ao tema.

Contrário à liberação da venda e consumo de álcool nos estádios, o deputado Ricardo Nezinho (MDB) usou dados nacionais que apontam a influência direta do consumo de bebida não somente com a violência, mas também com acidentes automobilísticos.

"São vários os dados que indicam o quanto o consumo de álcool é maléfico e causa vários problemas. Os números, por exemplo, indicam que 45% dos conflitos conjugais têm a presença da bebida, além de 40% dos acidentes de trânsito serem causados por motoristas alcoolizados. Um outro detalhe é que o país tem 13 milhões de alcoolistas", destacou Nezinho.

Depois dos embates contra e a favor do matéria, o deputado Antônio Albuquerque propôs o adiamento da votação no momento em que a matéria iria entrar ser votada, frustrando os seus defensores.

Troco
Depois, quando um projeto de Albuquerque que altera o nome do Estádio Rei Pelé para Rainha Marta iria ser colocado para primeira votação, coube a Toledo também pedir o seu adiamento conforme o regimento da ALE. 
 
Quase ao mesmo tempo, o deputado Sílvio Camelo (PV) lembrou que há um acordo de bastidores para a elaboração de uma emenda sobre o tema.
COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE