Laudo do IML confirma abuso sexual de criança e morte por asfixia em Marechal
11/02/2020 14:45 em POLICIA

O Instituto de Medicina Legal (IML) Estácio de Lima, em Maceió, confirmou, nesta terça-feira (11), que a causa da morte da menina Mariana Vieira Marques Barbosa, de 11 anos, foi asfixia por esganadura. O laudo do exame de necropsia realizado no cadáver também comprovou que a estudante foi vítima de violência sexual. Mariana foi encontrada seminua e morta nessa segunda-feira (10), em Marechal Deodoro. O namorado da prima dela, de 17 anos, está apreendido. Ele é apontado pela polícia como sendo o responsável pelo crime.

De acordo com o perito médico legista responsável pelo exame cadavérico, além da confirmação da causa da morte e do estupro, durante a necropsia foi possível coletar material biológico nas unhas e na genitália da estudante. O material foi coletado e armazenado para a realização do exame de DNA que confrontará essas amostras com a de possíveis suspeitos de cometer o crime.

 

Um jovem de 17 anos, que é namorado de uma prima da vítima, foi apreendido pela polícia. As investigações levaram até ele após diversas contradições durante depoimento. Ao ser ouvido pela polícia, o menor apresentava diversas marcas de arranhões na região do pescoço, que alegou terem sido resultado de uma briga com a namorada, o que foi desmentido por ela. 

"Ele chegou a combinar com a namorada para que ela dissesse que os arranhões tinham sido resultado de uma briga com ela, mas a jovem negou tudo ao ser ouvida pela polícia", afirmou o delegado Leonam Pinheiro - responsável pelas investigações. 

Apesar das conclusões da polícia de que ele seria o autor do crime, o menor de 17 anos ainda não confessou a morte. O delegado conta ainda que ele é membro de uma facção criminosa e que não está descartada a participação de mais pessoas no crime. 

"Vamos formalizar o auto de apreensão em flagrante delito, que será encaminhado à Justiça. O jovem será encaminhado à Delegacia de Menores e, em seguida, para a Unidade de Internação", conclui o Leonam. 

Familiares da jovem também chegaram a ser ouvidos pela polícia. Em entrevista a uma TV local, a mãe de Mariana contou que a menina costumava sair e dormir fora de casa. 

O caso

 

O corpo de Mariana Vieira foi encontrado despido e com sinais de violência sexual no conjunto Erick Ferraz, no bairro Poeira, em Marechal Deodoro. Após o exame de necropsia, o corpo da menina de 11 anos foi liberado para sepultamento e o laudo completo com todas as informações técnicas serão encaminhadas para a delegacia responsável pela investigação.

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE